CURADORIA

 

 

Em sua primeira edição, o TO’KAYA conta com uma curadoria composta por três mulheres pretas, de diferentes experiências no cinema, que trazem um formato especial de mostras a partir de um olhar cuidadoso e afetuoso sobre filmes nacionais que dialogam com a descentralização proposta pelo festival. Conheça:

belodara-16_edited.jpg

 

 

Izabel Melo 

 

Izabel de Fátima Cruz Melo chegou ao cinema pelos caminhos da história. É doutora em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP, Mestre em História pela UFBA e especialista em História da Bahia pela UEFS. Professora da UNEB, pesquisadora associada da Filmografia Baiana, integrante do Grupo de Pesquisa “História e Audiovisual: circularidades e formas de comunicação”. Autora do livro “Cinema é mais que filme”: uma história das Jornadas de Cinema da Bahia (1972-1978), (BA,EDUNEB,2016) e co organizadora do livro Sete Esquinas: Panoramas socioculturais nas Ciências Humanas (BA, Kawo Kabiyesile, 2013), além de outras publicações em livros e revistas. Têm interesses de pesquisa vinculados à história e historiografia do cinema, sociabilidades, cineclubismo, festivais e formação.

 

IMG-20200307-WA0008_edited.jpg
Girassol%20Laranjeiras-33_edited.jpg

 

 

Marise Urbano

 

Mestra pelo Programa Multidisciplinar em Cultura e Sociedade, bacharela em Artes com concentração em Cinema e Audiovisual e licenciada em Pedagogia, todos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Participa do Coletivo Periférico de Cinema (COPECINE) e é responsável pela GIRA POMBA PRODUÇÕES. É idealizadora da Mostra Cine Dendê. Exerce função de técnica de som, produtora, diretora, roteirista e pesquisadora. Diretora dos curtas-metragens “Com os pés no Chão” (2017) e “Sentinela” (2014). Participou como júri oficial do SERCINE (Festival Sergipe de Audiovisual), em 2018. Foi uma das curadoras da 2ª Mostra Lugar de Mulher é no cinema (2018); ministrou a oficina “Reflexões de raça e gênero na construção de personagens femininas no cinema contemporâneo”– 3ª edição da EGBÉ - Mostra de Cinema Negro 2018 e ministrou a palestra “Da representação à representatividade: a imagem a ser discutida” na 3ª Mostra Lugar de Mulher é no cinema (2019).

 

 

Luciana Oliveira

 

Graduada em Comunicação Social - Audiovisual (2014) e Mestre em Cinema e Narrativas Sociais (2018) pela Universidade Federal de Sergipe. Coordenadora de mesas e oficinas do Sercine (Festival Sergipe de Audiovisual) e organizadora da EGBÉ - Mostra de Cinema Negro. Figurinista e ministrante de oficinas de audiovisual na Rolimã Filmes. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: autorrepresentação, identidade, cinema documentário, mulher, mídia, mulher negra e cinema negro.